Domingo, 21 de Julho de 2024
20°C 33°C
Parnaíba, PI
Publicidade

Defensoria Pública do Piauí diz que Projeto de Lei do aborto é ilegal

A entidade piauiense assinou nota em conjunto com outras defensorias do Brasil pela ilegalidade do PL.

17/06/2024 às 11h33
Por: Redação
Compartilhe:
Defensoria Pública do Piauí diz que Projeto de Lei do aborto é ilegal

A Defensoria Pública do Estado do Piauí, juntamente com outras defensorias públicas do Brasil, manifestou-se contra o Projeto de Lei (PL) que propõe a equiparação do aborto ao homicídio. De acordo com a Defensoria, o PL é inconstitucional, ilegal e contraria convenções internacionais. A proposta visa alterar o Código Penal Brasileiro para criminalizar o aborto mesmo em casos de estupro, se realizado após 22 semanas de gestação, o que, segundo a Defensoria, representa um retrocesso nos direitos reprodutivos das mulheres.

Argumentos da Defensoria Pública

O Conselho Nacional das Defensoras e Defensores Públicos-Gerais (CONDEGE) emitiu uma nota enfatizando a ilegalidade e inconstitucionalidade do PL. Segundo a nota, o projeto viola tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário, incluindo os direitos humanos e a saúde reprodutiva das mulheres. Além disso, o PL vai de encontro às recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), que orienta a descriminalização total do aborto para proteger a saúde das mulheres.

Repercussão e Implicações

A posição da Defensoria Pública do Piauí reflete uma preocupação com as possíveis consequências do PL. Se aprovado, o projeto poderia resultar em um aumento dos abortos clandestinos, colocando em risco a vida de muitas mulheres. A criminalização do aborto em casos de estupro, especialmente após 22 semanas, também é vista como uma medida cruel e desumana, que ignora as circunstâncias traumáticas enfrentadas pelas vítimas de violência sexual.

Contexto Legal e Histórico

No Brasil, o aborto é permitido em casos de risco de vida para a mulher, anencefalia do feto e gravidez resultante de estupro. O PL em questão busca restringir ainda mais essas permissões, uma proposta que encontra forte oposição de diversas entidades e movimentos de direitos humanos. A Defensoria Pública e outras organizações argumentam que a criminalização severa do aborto não reduz a sua ocorrência, mas sim aumenta os riscos para a saúde das mulheres, especialmente as mais vulneráveis.

Reações da Sociedade Civil

Diversos grupos da sociedade civil e organizações de direitos humanos têm se manifestado contra o PL, ressaltando que a proposta representa um retrocesso significativo nos direitos das mulheres. A criminalização do aborto é vista como uma violação dos direitos reprodutivos e um obstáculo ao acesso a serviços de saúde seguros e legais. A mobilização contra o PL envolve campanhas de conscientização e pressão política para impedir a sua aprovação.

A Defensoria Pública do Piauí e outras defensorias pelo país reiteram a ilegalidade e inconstitucionalidade do Projeto de Lei que equipara o aborto ao homicídio. A luta pela manutenção e ampliação dos direitos reprodutivos das mulheres continua, com esforços concentrados em garantir que legislações regressivas não sejam aprovadas, protegendo assim a saúde e os direitos humanos das mulheres brasileiras.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Parnaíba, PI
29°
Tempo limpo

Mín. 20° Máx. 33°

30° Sensação
3.6km/h Vento
51% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
05h54 Nascer do sol
05h52 Pôr do sol
Seg 33° 21°
Ter 33° 22°
Qua 33° 23°
Qui 34° 23°
Sex 32° 22°
Atualizado às 11h05
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,60 +0,00%
Euro
R$ 6,10 +0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,63%
Bitcoin
R$ 400,224,23 +0,08%
Ibovespa
127,616,46 pts -0.03%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade